terça-feira, 27 de março de 2012

29 de Março, Aniversário da Cidade de Salvador, Bahia, a 1ª Capital do Brasil (1549-1763)


Animai-vos povo bahiense que está para chegar o tempo feliz da nossa Liberdade:
o tempo em que todos seremos irmãos:  o tempo em que todos seremos iguais”. 
(in: RUY, Afonso. A primeira revolução social do Brasil. p. 68)

Imagem do Elevador Lacerda  construído em 1873,  que liga a Cidade Alta à Cidade Baixa (abaixo, à direita o Mercado Modelo, na Praça Cayrú, Cidade Baixa, com 72 m de altura)   

Retrato da Bahia

(música de Riachão) 

Quem chega na praça Cairú  Olha pra cima o que é   que vê?
Vê o elevador Lacerda            Que vive a subir e a descer
É o retrato fiel da Bahia      Baiana vendendo com alegria
Coisinha gostosa de dendê,     Acarajé ! ... 

São Salvador 

São Salvador, Bahia de São Salvador
A terra de Nosso Senhor
Pedaço de terra que é meu
São Salvador, Bahia de São Salvador
A terra do branco mulato
A terra do preto doutor
São Salvador, Bahia de São Salvador
A terra do Nosso Senhor
Do Nosso Senhor do Bonfim
Oh Bahia, Bahia cidade de São Salvador
Bahia oh, Bahia, Bahia cidade de São Salvador
 
 (Música de Dorival Caimmy)
Bahia
Cidade de dois andares    De sobrados seculares   
Berço de tradição  Onde sob um céu de anil, 
Se engasta colorida, A História do Brasil
E é esta Bahia que canto     
 Com toda ternura e amor.    
 Berço de heróis e poetas,       
 Cidade do Salvador  
Salvador d’ Ávila (autor)


Salvador, a capital da Bahia, estado do nordeste brasileiro, primeira capital do Brasil,  terceira maior cidade do  país  com 2.710.968 milhões de habitantes  (IBGE/2012) completa 463 anos. Quando incluímos sua Região Metropolitana temos um total de   3.866.004 habitantes. Foi    fundada em  29 de Março de  1549, por Tomé de Souza, com o nome de  São Salvador da Bahia de Todos os Santos.
Como primeira sede da administração colonial portuguesa no Brasil, a cidade é uma das mais antigas da  AméricaPor muito  tempo foi  chamada de "Bahia" ou "cidade da Bahia", inclusive por  seus moradores, e aparece sob esse nome ou como " São Salvador da Bahia" a fim de diferenciá-la de outras cidades homônimas, como El Salvador,  país da  América Central. 

Foto: Dique do Tororó na Av. Vasco da Gama. Lagoa de 110 mil m2 de superfície d'água construída no século XVIII e reinaugurada em 1968, depois de passar por um processo de revitalização. Sua principal atração são as esculturas d artista plástico Tati Moreno, que representam os Orixás, deuses africanos, que parecem flutuar sobre as águas.

Salvador recebeu epítetos como a "Roma Negra", por ser considerada a metrópole com  maior percentual de  negros fora da África.  Guarda a memória do catolicismo dos portugueses em suas belíssimas igrejas barroca, as tradições negras e escravas nos terreiros de candomblé, as memórias indígenas traduzidas no culto à imagem da Cabocla.  Destaca-se no cenário nacional por  sua gastronomia fortemente influenciada pela África, bem como pela música e pela arquitetura colonial portuguesa com monumentos históricos do século XVII ao XIX.  A música, a dança, a capoeira, os trajes, a culinária, a irreverência...  , são marcas do seu povo.   
Mapa da Grande  Salvador (Google Earth)
Quem nasce em Salvador é chamado de soteropolitano (gentílico de origem grega. Sotero = salvador; polis = cidade. Soterópolis = “cidade do Salvador”). A cidade está localizada em uma pequena península, mais ou menos triangular, que separa a Baía de Todos os Santos de águas abertas do Oceano Atlântico. O acidente geográfico (baía) recebe  esse  nome por ter sido descoberto no Dia de Todos-os-Santos - 1º de Novembro de 1501.  Forma um porto natural,  um dos principais de exportação do nordeste,  no coração do Recôncavo Baiano.  
Devido ao seu relevo acidentado, divide-se em Cidade Alta e Cidade Baixa e sua população é  majoritariamente de origem  africana.   Em seu centro histórico, na parte alta da cidade, está o bairro do Pelourinho, que tem este nome por  ter sido o local onde os escravos eram castigados. Foi declarado  Patrimônio Mundial pela UNESCO em 1985.

Nos versos da bela canção São Salvador, do baianíssimo Dorival Caymmi, o músico que mais retratou sua cidade natal,   e de todos os artistas,  poetas e cantores célebres e anônimos, homenageamos a bela cidade,  situada  no entorno  da Baía de Todos os Santos e de  todos  encantos, a primeira capital do Brasil,  de 1549 a 1763.

A história da cidade  inicia-se 48 anos antes de sua fundação oficial,  com a descoberta da Baía de Todos os Santos, a qual reunia qualidades portuárias e de localização que a tornou referência para os navegadores, passando a ser um dos pontos mais conhecidos e visitados do Novo Mundo. O Brasil foi descoberto no dia 22 de abril de 1500, pelo navegador português Pedro Álvares Cabral. Em 1501,  a primeira expedição de reconhecimento da terra por ele descoberta,  avistou  uma  baía, logo  batizada de Baía de Todos os Santos pelo navegador Américo Vespúcio, por ter sido descoberta no dia 1º de novembro, o dia de Todos os Santos. O grande golfo tornou-se uma referência para os navegadores e um dos portos mais movimentados do Continente Americano.

No dia  29 de março de 1549 a armada portuguesa aportava na Vila Velha, hoje Porto da Barra, comandada pelo português Diogo Álvares Correia, o Caramuru. Nessa data era fundada oficialmente a Cidade do São Salvador da Baía de Todos os Santos, pelo Governador Geral Tomé de Souza nomeado pelo rei de Portugal D. João III, que chegou com uma tripulação de cerca de mil homens – entre voluntários, marinheiros, soldados e sacerdotes, que ajudaram na fundação e povoação da cidade que  passou a desempenhar papel estratégico na defesa e expansão do domínio português no Brasil entre os séculos XVI e XVIII.

Salvador tornou-se a partir daí,  Vice-Reino de Portugal na América Portuguesa e a primeira capital do Brasil até 1763, quando a sede administrativa da colônia foi transferida para o Rio de Janeiro.  Manteve, porém, sua importância política e econômica e, em 1808, recebeu a Família Real Portuguesa.  Na ocasião, o Príncipe Regente D. João VI abriu os portos às nações amigas e fundou no Terreiro de Jesus (Pelourinho), a primeira faculdade de medicina do Brasil.

A rigor, uma colônia  não tem  capital, vez que a idéia de capital está relacionada ao conceito de soberania, mas Salvador é identificada  como a "primeira capital do Brasil" por ter abrigado durante mais de dois séculos a sede da administração colonial portuguesa, ou seja, foi sede do Governo Geral e Vice-Reino. Nessa linha de  raciocínio,  o Brasil só teve uma capital de jure a partir da Independência em 1822. O Rio de Janeiro, portanto, continuou sendo a sede do governo até a fundação de Brasilia em 1960, nossa atual sede administrativa.

A Chegava dos Africanos

Em 1550, os primeiros escravos africanos chegam da Nigéria, Angola, Senegal, Congo, Benin, Etiópia e Moçambique acelerando a prosperidade da cidade-fortaleza, principal porto do Atlântico Sul e da rota das especiarias (cravo, canela, pimenta-cuminho) com destino ao Oriente. Prosperou inicialmente com a exportação do açúcar produzido nos engenhos do Recôncavo Baiano, área geográfica no entorno da Baía de Todos os Santos, e depois do comércio entre a Colônia e Portugal. O trabalho forçado dos nativos (os índios) e dos africanos  conduziu a Colônia para o patamar que a transformou na Sede do Império Português em 1808, com a chegada da Família Real, que fugia da Invasão Napoleônica. 

A Revolta dos Búzios ou  Revolta dos Alfaiates  ou Conjuração dos Alfaiates ou ainda Conjuração Baiana de 1798

A consciência libertária da população de Salvador deu origem a vários movimentos de revoltas contra o domínio português no Brasil, como a Conjuração Baiana, que tem vários nomes, a saber:  Revolta dos  Búzios ou ainda Revolta do Alfaiates (seus líderes exerciam esta profissão). Foi um movimento emancipacionista ocorrido em 1798 (final do  século XVIII), na então Capitania da Bahia. Ao  contrário  da Conjuração ou Inconfidência Mineira de 1789, teve ampla  participação popular: escravos, soldados, alfaiates, pequenos comerciantes..., que queriam fundar a República Baiense. Seu principal líder foi o médico e filósofo Cipriano Barata.

Influenciados pelas idéias iluministas, republicanas e emancipacionista (libertária) difundidas pela Revolução Francesa de 1789  e debatidas por uma parte da elite culta da cidade (membros da comunidade maçônica Cavaleiros da Luz), que se espelhava na  independência das  Treze Colônias Inglesas, hoje Estados Unidos da América (EUA), e pelo processo de independência do  Haiti no Continente Americano, os revoltosos pregavam a libertação dos  escravos e a instauração de um governo igualitário.   O movimento teve fim semelhante à Conjuração Mineira de 1789, com seus líderes punidos com a morte pela Coroa Portuguesa, mas deixou marcas na sociedade soteropolitana, e novamente eclodiu em 1821, culminando com a guerra da Independência da Bahia, concretizada em 2 de julho de 1823.

A Região Metropolitana de Salvador
Mapa da Região Metropolitana de Salvador e Municípios Limítrofes 
A Região Metropolitana de Salvador ( " A Grande Salvador" ) é constituída por 13 municípios: Camaçari, Candeias, Dias d'Ávila,  Lauro de Freitas, Madre de Deus, Mata de São João, Pojuca, São Francisco do Conde, São Sebastião do Passé, Simões Filho, as Ilhas de Itaparica e Vera Cruz; Salvador. 
Municípios  que fazem limites com Salvador: Lauro de Freitas ( a nordeste), Simões Filho (ao norte), Candeias (a noroeste) Baía de Todos os Santos - Ilhas de  Itaparica e Vera Cruz  (a oeste) Oceano Atlântico (a leste e sul). O estado da Bahia, por sua vez,  tem os seguintes limites:  Piauí e Pernambuco - Norte, Alagoas e Sergipe - Nordeste, Goiás e Tocantins - Oeste, Minas Gerais – Sudoeste, Espírito Santos – Sul e finalmente o Oceano Atlântico a  Leste.
As 18 zonas ou Regiões Político-Administrativas da  Cidade
Apesar da fundação planejada e iniciada no atual Centro Histórico, o crescimento da capital ao longo do tempo ocorreu espontaneamente. Em 2004, uma nova lei do PDDU delimitou as  atuais 18  Regiões Administrativas (RAs), a saber:



Sites Consultados e acessados em 26/03/12 e 24/03/2013

Os movimentos de libertação colonial. Disponível em: 
http://www.fabriciobreve.com/trabalhos/movimentos_de_libertacao_colonial.pdf





4 comentários:

  1. Temos que brindar, comemorar e agradecer a todos que lutam por justiça e pelas politicas de reparação neste país! uma data inesquecível! vamos celebrar!!

    ResponderExcluir
  2. Olá, Surama !
    Muito obrigada por nos seguir neste blog. Nos sentimos honrad@s. Acessei os sites que vc segue, mas não descobri os seus. Pode nos enviar? Obrigada
    Grande abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. oi Claudia, tudo bem? meu blog é o www.artesurama.blogspot.com será um imenso prazer ter contato contigo.

      Abraços.

      Surama

      Excluir
  3. Oi, Surama !
    Desculpe a demora no retorno. Só agora vi seu comentário. Estou te seguindo e postei um comentário no seu blog. Menina, vc é muito importnate, hein ? rsrs. Parabéns por sua arte, por sua história ! Qdo vier fazer exposições na Bahia, nos comunique, por favor, viu?
    Muita sorte e sucessos !
    De Salvador, te enviamos muito Axé !

    ResponderExcluir