terça-feira, 9 de agosto de 2016

11 de Agosto Dia do Estudante. Origem. Oração de São Tomás de Aquino, protetor dos estudantes. Música Coração de Estudante: análise. Poesia Minha Turma


11 de agosto  comemora-se no Brasil  o Dia do Estudante, tradição  que teve início em 1927, mas que remonta a 1827 (século XIX), cem anos antes,  quando o Brasil  já havia proclamado sua  Independência   de Portugal, no histórico 7 de setembro de 1822, adotando a Monarquia como forma de governo. 

Naquele 11 de agosto de 1827, o então Imperador Dom Pedro I autorizou a criação das duas primeiras faculdades do Brasil: a Faculdade de Direito de Olinda/Pernambuco e a Faculdade de Direito do Largo do São Francisco, em São Paulo. Por esse motivo, no dia 11 de agosto, também se comemora o Dia do Advogado no Brasil. 

Em 11 de agosto de 1927, cem anos após a criação das referidas faculdades, houve uma grande festa de comemoração. O advogado Celso Gand Ley, que estava participando das comemorações, sugeriu aos demais participantes que, na mesma data, fosse instituído o Dia do Estudante. A sugestão de Gand Ley foi acatada e, a partir daí,  o Dia do Advogado e o Dia do Estudante são comemorados na mesma data. 

Em 1937  foi criada a UNE  – União 
Nacional dos Estudantes, que reforçou a ideia de criação de uma data dedicada aos estudantes.  Destaque-se que em 1937 tem  início o Governo do Presidente Getúlio
Vargas, com a  Ditadura do Estado Novo (1937-1945).

No âmbito internacional, o Dia do Estudante é comemorado em 17 de novembro, data da resistência estudantil à ocupação nazista na antiga Tchecoslováquia (país do leste europeu), em 1939.  
A Homenagem  aos estudantes é bem merecida, e deve ter o apoio da família, da escola e de toda sociedade, pois estudar é uma atividade muito difícil e de grande importância para a sociedade. Parabéns a todos os estudantes do nosso querido Brasil !  


Oração de São Tomás de Aquino, protetor dos estudantes

Criador inefável,
Tu que és a fonte verdadeira da luz e da ciência,
derrama sobre as trevas da minha inteligência um raio da tua claridade.
Dá-me inteligência para compreender,
memória para reter,
facilidade para aprender,
sutileza para interpretar,
e graça abundante para falar.

Meu Deus, semeia em mim a semente da tua bondade.
Faz-me pobre sem ser miserável,
São Tomás de Aquino
humilde sem fingimento,
alegre sem superficialidade,
sincero sem hipocrisia;
que faça o bem sem presunção,
que corrija o próximo sem arrogância,
que admita a sua correção sem soberba,
que a minha palavra e a minha vida sejam coerentes.

Concede-me, verdade das verdades,
inteligência para conhecer-te,
diligência para te procurar,                                                                      
Sabedoria para te encontrar,
uma boa conduta para te agradar,
confiança para esperar em ti,
constância para fazer a tua vontade.

Orienta, meu Deus, a minha vida,
concede-me saber o que tu me pedes
e ajuda-me a realizá-lo
para o meu próprio bem
e de todos os meus irmãos.
Amém.

(São Tomás de Aquino)
Fonte: http://pt.aleteia.org/2015/02/06/oracao-eficaz-para-pedir-ajuda-nos-estudos/


Poesia: Minha Turma 

Minha turma é legal
e também é divertida!
Tem um jeito todo especial...                                                                     
Somos uma turma unida!

Estudamos e aprendemos
com as nossas professoras,
que ensinam a cada dia
com amor e alegria!

Tudo o que aprendemos
é importante para nós...
Seja Matemática ou Ciências,
Português ou Geografia.
Tudo é um aprendizado
crescemos mais a cada dia!

Essa é a nossa turma
com nosso jeito de ser.
Todo dia nos encontramos
para crescer e aprender.
Nossa escola é o C.E.I.P.P.

Produção: Alunos do 4º ano / 2015.        Pró Cristina

Fonte: http://ceippcantinhodosaber.blogspot.com.br/2015/04/trabalhando-com-poesia-4-ano.html


Música Coração de Estudante  

Compositores: Milton Nascimento e Wagner Tiso.  Voz de Milton Nascimento


Begonia undulata,  pequena flor
da família das  Begoniaceae 
Coração de Estudante

Quero falar de uma coisa
Adivinha onde ela anda                                    
Deve estar dentro do peito
Ou caminha pelo ar
Pode estar aqui do lado
Bem mais perto que pensamos
A folha da juventude
É o nome certo desse amor

Já podaram seus momentos
Desviaram seu destino
Seu sorriso de menino
Tantas vezes se escondeu
Mas renova-se a esperança
Nova aurora a cada dia
E há que se cuidar do broto
Pra que a vida nos dê flor e fruto

Coração de estudante
Há que se cuidar da vida
Há que se cuidar do mundo
Tomar conta da amizade
Alegria e muito sonho
Espalhados no caminho
Verdes, planta  e  sentimento
Folhas, coração, juventude e fé. 
Fonte: https://www.vagalume.com.br/milton-nascimento/coracao-de-estudante-nao-cifrada.html

Tancredo Neves
Análise da Música Coração de Estudante 

A música “Coração de Estudante” é de autoria dos compositores brasileiros Milton Nascimento (1942) e Wagner Tiso (1945). Coração-de-Estudante é o nome popular da Begonia undulata, uma pequena flor da família das Begoniaceae, muito comum em Minas Gerais e outras regiões do país.

A letra dessa música tem forte conotação histórica e política, tendo em vista o contexto histórico do Brasil  quando a canção foi gravada em 1983. Foi muito usada na campanha das Diretas Já (1984), movimento político favorável à Emenda Constitucional do deputado Dante de Oliveira, em favor das eleições diretas para presidente da República do Brasil durante o processo de Redemocratização que pôs fim à ditadura militar (1964-1985).

Milton Nascimento
Tornou-se hino da chamada Nova República e símbolo do “broto” Brasil, na espera de  virar flor e fruto. Fala da necessidade de cuidar das novas gerações, porque nelas está a esperança de construção de uma nova sociedade. 

Tocava em nove de cada dez formaturas, pois inspirava e espelhava os ideários da juventude brasileira. Era a predileta de Tancredo Neves, por isso foi executada incansavelmente por todas as emissoras de rádio e TV no período da comoção nacional diante da agonia, morte e funerais do presidente eleito em 1985, mas que não tomou posse, e cuja morte coincide com o início do processo de Redemocratização do país. 

Sites consultados
Vídeo  da música Coração de Estudante
https://www.youtube.com/watch?v=lKFPmun4YYU
Comentários
http://www.webartigos.com/artigos/analise-sobre-a-musica-coracao-de-estudante-de-milton-nascimento/118265/
Museu da Canção
http://museudacancao.blogspot.com.br/2012/11/coracao-de-estudante.html
Wagner Tiso. Museu Clube da Esquina
http://www.museuclubedaesquina.org.br/museu/depoimentos/wagner-tiso/
Fonte da imagem 2
http://ceippcantinhodosaber.blogspot.com.br/2015/04/trabalhando-com-poesia-4-ano.html
Todas as imagens são do Google

quarta-feira, 20 de julho de 2016

Lúdico nos Sinais de Pontuação.Dramatização do Poema Quem é Importante? de Samuil Marchak e Tatiana Belinky. Texto o mistério da herança. Atividades


A pontuação  é um sistema de sinais que tenta reproduzir na escrita as pausas que damos na oralidade  ao  pronunciar  os sons. Para representar pausas na fala, usamos o ponto, a  vírgula, o ponto e vírgula.  Nas entonações da voz, usamos os pontos  de exclamação e de interrogação.  Além de pausa na fala e entonação da voz, os sinais de pontuação reproduzem, na escrita, nossas emoções, intenções e anseios, além de criar relações de independência ou dependência entre frases e  organizar  as ideias  evitando que todo o texto pareça um amontoado de palavras. 
O poema Quem é Importante? de autoria do russo Samuil Marchak , traduzido e adaptado pela russo-brasileira Tatiana Belinky,   apresenta os sinais de pontuação de forma lúdica, divertida, mostrando a importância do seu  uso na linguagem escrita.  A autora  dá vida aos sinais de pontuação, personificando-os, atribuindo-lhes sentimentos humanos, como vaidade, orgulho e arrogância, além de  ressaltar  suas qualidades.

Sugerimos trabalhar o poema em forma de dramatização, para facilitar a compreensão dos alunos sobre a importância de usar esses sinais na escrita, bem como perceber seu uso de forma prática, concreta. Veja o quadro com os sinais de pontuação no final deste post. 

Sugestões para a dramatização

Os personagens podem se apresentar fantasiados e com cartazes  em cores diferentes, indicando  o nome do sinal  de pontuação que está interpretando e o respectivo símbolo. Aconselha-se usar a criatividade, mas sem exageros que dificultem a comunicação da  mensagem. 
Personagens: Dez Sinais de Pontuação citados no poema + o narrador (a  numeração obedece à sequencia  do  texto do poema). Sugerimos algumas fantasias. 


I - Narrador. Diz o primeiro verso e as falas iniciais sobre cada sinal de  pontuação, de forma enfática e engraçada. Em seguida, entra o personagem. O primeiro é o ponto de exclamação. 
II- Aluno(a) - Ponto de Exclamação.  Sugestão de fantasia: palhaço; 
      III-    Dom Ponto de Interrogação. Fantasia: fantasma/múmia (um lençol branco). Colocar o sinal de interrogação no centro da fantasia.
      IV - A Vírgula. Fantasia: vestir um balde de cartolina com a virgula e uma pequena frase: belo, bonito, lindo. 
      V - Ponto e Vírgula.  Após a fala da virgula, entram o   Ponto e Vírgula  fantasiado de coelho  segurando seu  cartaz, bem como o  Dois-pontos  fantasiado de gato  com  o seu cartaz.  O narrador fala e o Ponto-e-Virgula, em seguida, fazendo sua  provocação.  Sai de forma arrogante e de cara fechada. 
      VI - Dois-Pontos protestou:     – Importante eu é que sou! Eu preparo toda ação E a e-nu-me-ra-ção! ...  (falar recitando cada silaba, todo metido). 
VII - Reticências -   Aluna(o)  usando uma beca de papel com bolinhas e seu cartaz.
     VIII -  As Aspas -  Aluno/a  entra com um cartaz com uma pequena citação. 
      IX -  O Senhor Ponto. A  Cedilha  e o Travessão entram juntos  com o  Senhor Ponto, cada um  portando seus  respectivos cartazes. Usar becas em  cores diferentes. Simular  uma briga, quando entra o Senhor Ponto, colocando Ponto Final. 

O MISTÉRIO DA HERANÇA 

Esse  texto que  circula na  internet pode ser um ótimo recurso para trabalhar os sinais de pontuação

Um homem muito rico estava á  beira da morte, agonizando. Pediu papel e caneta e escreveu, sem pontuação, o seguinte testamento:

'Deixo meus bens a minha irmã não a meu sobrinho jamais será paga a conta do padeiro nada dou aos pobres. '

Não resistiu e bateu as botas sem fazer a pontuação. Ficou o dilema: quem herdaria a fortuna? Eram quatro concorrentes.

No dia seguinte, ao receberem o chamado do cartório, cada um dos citados deu ao texto a pontuação e a interpretação que lhe favorecia. 

1) O sobrinho fez a seguinte pontuação:
Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho. Jamais será paga a conta do padeiro. Nada dou aos pobres.

2) A irmã chegou em seguida. Pontuou assim o texto:
Deixo meus bens à minha irmã. Não a meu sobrinho. Jamais será paga a conta do padeiro. Nada dou aos pobres.

3) O padeiro pediu cópia do original. Puxou a brasa pra sardinha dele:
Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho? Jamais! Será paga aconta do padeiro. Nada dou aos pobres.

4) Aí, chegaram alguns moradores de rua. Um deles, sabido, fez esta interpretação:
Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho? Jamais! Será paga a conta do padeiro? Nada! Dou aos pobres.


Sugestões de Atividades

1)  Dividir a turma em quatro grupos. Cada  um  representará um concorrente  da  herança.

 Afinal, quem herdará a fortuna?

Grupo 1 - irmã;  Grupo 2 - sobrinho;   Grupo 3 - padeiro; Grupo 4 – pobres. 

a) Os grupos  devem  atentar  para  pontuação correta do texto, com o objetivo de deixar  claro com quem ficará a herança.

b) Ao final,  cada grupo  vai ao quadro de giz pontuar sua parte  e  ler para a classe.

Veja como deve ficar   a resposta correta de cada grupo:

GRUPO 1 –IRMÃ

Deixo meus bens à minha irmã. Não ao meu sobrinho. Jamais será paga a conta do padeiro. Nada dou aos pobres.

GRUPO 2 –SOBRINHO

Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho. Jamais será paga a conta do padeiro. Nada dou aos pobres.

GRUPO 3 –PADEIRO

Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho? Jamais! Será paga a conta do padeiro. Nada dou aos pobres.

GRUPO 4 - POBRES

Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho? Jamais! Será paga a conta do padeiro? Nada! Dou aos pobres.

2) Chamar a atenção dos alunos sobre a importância de se pontuar adequadamente. 
3) Propor dividir a classe em dois grupos. Cada um  elabora um  texto de modo que a herança fique distribuída da seguinte forma:

a - Incluir todos os personagens como herdeiros da fortuna.
a - Incluir todos os personagens com exceção dos pobres.


Amplie seus conhecimentos. Clique nos links abaixo:

Da Alfabetização ao Ensino Médio: Sinais de Pontuação.Cartazes Com os Sinais de Pontuação. Jogral da Pontuação. O Poder da Vírgula. Conto Pontos de Vista. POESIA Pontos de interrogação. Atividades                                

 https://serravallenaafricadosul.blogspot.com.br/2014/05/da-alfabetizacao-ao-ensino-medio-sinais.html


                     Sinais de Pontuação

Nome do Sinal de Pontuação
                                  Quando Utilizar









01





      


     
Ponto (.)
- Para indicar o fim de um período simples, de uma frase com sentido completo. Ex: Nada mais tenho a dizer.
-Para abreviar:  Sr. (Senhor);  a.C. (antes de Cristo);  Adj.
 (adjetivo);  etc. (et cetera). Gostamos de maçã, banana, manga etc. (Certo)
Gostamos de maçã, banana, manga e etc. (Errado).
Etc. - significa "e outras coisas".  Como já possui o conectivo "e", não é necessário escrever "e etc.", nem precisa ser precedido por vírgula.
Quanto ao uso de reticências com etc. (etc...), devemos optar ou pelo uso do etc., ou pelo uso das reticências. 
Ex: Gostamos de maçã, banana, manga etc...   (Errado)
Gostamos de maçã, banana, manga etc.            (Certo)
Gostamos de maçã, banana, manga...                (Certo)
 "Etc." refere-se a  "e outras coisas".  Não use para pessoas, pois  não são coisas. Para pessoas utilize "et al." (abreviatura de et alii, que significa "e outros").


02


Ponto de Interrogação (?)
- Para realizar perguntas. Você  tomou banho hoje  ?
- Para expressar vários  sentimentos (surpresa, indignação, expectativa, ironia...).    Ex: Roubaram os computadores da escola? (indignação). Você está me pedindo em casamento? (surpresa).  O seu time finamente venceu? (ironia).






03





Ponto de Exclamação (!)

- Para expressar sentimentos tais como: empolgação, súplica, reclamação, surpresa, horror.  Ex:Vamos assistir as Olimpíadas no Rio de Janeiro!  (empolgação, alegria).
Por favor, votem direito nas próximas eleições! (súplica)
Mais rápido, meu rapaz!                (reclamação)
Que escola limpa e asseada!          (surpresa)
Que horror!                                      (horror)
- Para interjeições e locuções interjetivas:  "Oh! Meu Deus! - Depois de vocativos: Você consegue,  meu garoto!
Obs: Para expressar, ao mesmo tempo, questionamento e admiração, pode-se usar interrogação e exclamação juntas.  Que coisa, não?!


04


Reticências (…)

-Para suprimir trechos: Era uma vez (...) e viveram felizes para sempre.  Para indicar continuidade de pensamento ou de enumerações:  Eu gostei do novo técnico, mas dos novos jogadores...



05


  
Parênteses ( )
-  Para indicar uma explicação. As Olimpíadas de 2016 serão no Brasil (país da América do Sul).
-  Na indicação de fontes bibliográficas - E disse Deus a Moisés: tira os sapatos, pois estás em terra santa (Êxodo 3:5). Para isolar um comentário ou pensamento: vou para Recife (o Sul é muito frio no inverno).

06

Aspas (“ ”)
Aspas ou vírgulas dobradas são usadas para fazer citações, destacar palavras estrangeiras, neologismos, arcaísmos, gírias, apelidos, palavras com valor afetivo, sentido irônico.

07

Travessão (-)
-  Indicar a mudança de interlocutor em um diálogo:
– Mamãe, vamos á praia hoje?  (filho)
– Não. Você tirou zero em Matemática. Vá estudar!  (mãe).

08

Dois pontos (:)
- Para fazer uma citação ou introduzir uma fala:   O policial disse: - Mãos para cima! E ele respondeu: - Não tenho mãos. 
- Fazer uma enumeração: Compre: batata, leite e  pão.  

  
09


Ponto e Vírgula (;)
-Para separar itens; para evitar o excesso de vírgulas;
- Para separar antítese: Muitos querem; poucos podem. 
  Uns mandam; outros obedecem.
- Para dar maior pausa a conjunções adversativas
 (mas, porém, contudo, todavia, entretanto, etc.):  
O time estava completo; porém, perdeu o jogo.




10




Vírgula (,)

As regras para o uso da vírgula são muitas. Destacamos:
- Para separar os nomes dos locais de datas: 
  Salvador, 20 de julho de 2016. 
- Em correspondências, após a saudação: Atenciosamente, 
- Para separar termos com igual função sintática: A criança brincou, correu, pulou e dormiu  (vírgula separando verbos).
- Separar o vocativo: Zé, deixe de ser  metido a "esperto".
- Separar o aposto: Zé, brasileiro típico, jogou  o lixo pela janela do carro.        
OBS: Nunca separe o sujeito do verbo nem o verbo de seu complemento na ordem direta: Ela, viu uma forte paixão naqueles olhos. (ERRADO). Ela viu uma forte paixão...
Adaptado de: 



Todas as imagens são do Google